Guardar mágoa: Conceito para a Constelação

A mágoa pode ser entendida como uma sensação ou sentimento doloroso, angustiante e penetrante, que às vezes faz doer fisicamente o coração. Dentre as várias causas, ela pode ter sido causada por uma decepção, ofensa, indelicadeza, ressentimento. Ou mesmo inveja da felicidade alheia ou o desejo de possuir o que pertence à outra pessoa. Enfim, é um sentimento oposto à felicidade ou ao bem estar. O que costuma provocar em quem a sente, sensações muito desagradáveis.

O conceito de guardar mágoa

Desde os tempos primórdios houve interrupções nos relacionamentos familiares relacionadas com mágoas entre irmãos, sendo um dos mais conhecidos o de Caim que matou Abel por não conseguir dominar a inveja que sentia de seu irmão.

Outro caso muito comentado foi sobre a progenitura na família de Isaque. Antigamente, era tradição os pais passarem toda herança e o controle de tudo que tinham ao primeiro filho. Jacó, que era filho de Isaque, conseguiu tirar o direito de progenitor de seu irmão Esaú. A Esaú estava reservada a bênção do pai. Porém, Jacó, com a ajuda da mãe, conseguiu se disfarçar, enganar seu pai e receber a bênção que seria do mais velho e fugiu em seguida.

Porém, como o fluxo da vida segue adiante com sua força ancestral, a situação de inveja reaparece na própria família de Jacó. Seus filhos, enciumados com a situação privilegiada de José por ele ter revelações de Deus, resolveram vendê-lo como escravo a um povo ismaelita que viajava para o Egito.

As rupturas entre irmãos descritas nas primeiras famílias continuam a reverberar nas famílias atuais. Os motivos da mágoa, ainda que menos hostis na aparência e transmutados aos costumes atuais, permanecem os mesmos. Os irmãos não se matam como Caim, não roubam a progenitura do mais velho ou vendem o irmão como escravo, mas usam outras estratégias mais sutis, porém de resultado igualmente doloroso.

O que a constelação diz sobre guardar mágoa

Na Constelação familiar os irmãos compartilham a mesma historia familiar e as  leis do amor mais importantes estão presentes. Todos os filhos tomam dos pais, têm o mesmo direito de pertencer sem nenhuma exclusão. Mesmo havendo diferenças na ordem dos nascimentos, a precedência precisa ser respeitada e o equilíbrio entre eles deve prevalecer. Quando um transtorno, um medo ou uma dificuldade se manifesta entre os irmãos, provavelmente alguém está fora do lugar. Todos precisam olhar para isso, inclusive os pais, visto que devem caminhar juntos, sem ferir a ordem.

Um bom exemplo é o de quando o filho ou filha mais velha resolve tomar a função do pai ou da mãe para si. Deslocando-se de seu lugar, tornando-se maior que os pais e atrai para sua pessoa as responsabilidades que são dos genitores. Os irmãos mais novos se ressentem com essa postura. Porque foi gerada uma desordem e os conflitos se originam nesse momento. Também pode ocorrer o contrário, quando as caçulas ou os caçulas resolvem assumir o lugar do mais velho e este se sente ameaçado. Como se fosse uma invasão do seu espaço. A paz na família deixa de existir.

A situação descrita acima, ocorreu numa família na qual sou parente por afinidade. A filha mais velha de um casal que gerou quatro filhos assumiu a posição da mãe. Sob pretexto de que a genitora vivia adoentada, sem vontade para nada. Como ela começou a trabalhar em tenra idade, dedicava seu esforço financeiro a comprar mimos e agrados para os irmãos mais jovens, dando ordens dentro da casa.

Como a constelação pode ajudar

O pai, sempre muito ocupado com o “ganha-pão”, ficou ausente e não percebeu esta situação. Ao longo dos anos, observei que houve uma fratura nesta família de quatro filhos. Foi como se a mãe tivesse sido expulsa de sua posição, tornando-se uma pessoa amarga e com eternos conflitos entre ela e sua filha mais velha. Houve datas festivas como dia das mães ou natal. Que essa filha se melindrava porque não recebia o mesmo tratamento ou presentes que os demais filhos dedicavam à mãe. As dores desse amor que adoece trouxeram consequências para essa filha que tentou substituir a mãe. Na própria família que constituiu seus dois únicos filhos, irmãos, portanto, também romperam o relacionamento.

Conhecer a constelação familiar me trouxe muita luz no entendimento dessa questão. O desrespeito às leis do amor na inversão da ordem de papéis dessa filha com certeza influenciou o surgimento dessa ruptura na família. Sem desrespeito a outras recursos para tratar o problema, como a psicanálise, por exemplo, a constelação pode identificar os embaraços e recolocar cada um no seu papel, por meio de uma dinâmica, que revelará qual ordem do amor foi burlada.

Conclusão

A harmonia e a paz poderão ser adquiridas quando houver compreensão do emaranhado e novas posturas forem adotadas.

Caso tenha achado o texto interessante, não se esqueça de compartilhar e deixar seu comentário. Para aprender mais sobre constelação, acesse o curso www.constelacaoclinica.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *