Espiritismo e tolerância religiosa

Para falar sobre religiões, incluindo o Espiritismo, é importante também discutir sobre tolerância religiosa.

A Tolerância religiosa é atitude respeitosa e convivial diante das confissões de fé diferentes da sua. A capacidade em aceitar o que é diferente, é tolerar opiniões ou práticas que se diferem das suas.

“A religião é comparável com uma neurose da infância.”
(Sigmund Freud, psicanalista austríaco)

 

Espiritualidade

Consciência Individual, sistêmica, e espiritual. Me enquadro em todas tendo a ver com respeitar as diferenças, sejam elas físicas, comportamentais, ideológicas ou de qualquer outra natureza.

Em um mundo no qual a convivência social é inevitável, ser tolerante é uma competência importantíssima, independentemente do meio em que se vive.

Se não faço o evangelho no lar fico me sentindo culpada, tenho forte capacidade de deixar as coisas pela metade, e total sensação de estar sozinha neste mundo.

Hoje acredito que a espiritual é a que mais me faz sentido.

 

Efeitos e causas e o espiritismo

Esse Bert Hellinger é um “Kardec na lei do progresso”, as pessoas não se dão conta, que hoje precisamos rever algumas coisas; já entendemos e aceitamos o mundo dos espíritos desencarnados.

Porém ainda desconhecemos o mundo dos espíritos encarnados esse psiquismo clamando por ser descoberto e entendido.

Ficamos muito no efeito e pouco nas causas.

Quase que as vezes nos esquecemos de viver o presente por estarmos no passado, buscando no passado, relacionando tudo com o passado.

 

Espiritismo

Às vezes penso que no que depender do que fazemos hoje pouco teremos que reencarnar, já que não temos vida.

Por não vivermos o presente, temos um modo sonâmbulo de vida, acordados pensamos nos obsessores e suas investidas do tipo A|B.

Como campos antagônicos e quando dormimos achamos que desdobramos, indo para o M Espiritual, sempre mais lá e menos aqui, continuando finalmente alheios à encarnação atual.

Parece que Bert trouxe a visão complementar para o espiritismo, a visão da importância do indivíduo, e sua individualidade para entender a sistêmica e daí sim compreender a espiritual.

 

O complexo no espiritismo

Parece tão simples quando Bert fala né?

Nos sentimos tão pertencidos aos exemplos que ele menciona e ao mesmo tempo tão distantes do que ele está dizendo, em seus estudos e em suas experiências percebeu no outro a extensão de Si, descobriu as três leis do amor que regem os relacionamentos humanos.

Trouxe a importância do vínculo e realçou o (pertencimento), equilíbrio (equilíbrio entre dar e tomar/receber) e ordem (hierarquia). A primeira se estabelece pela necessidade de pertencer ao nosso sistema familiar.

 

Doutrina espírita

Vemos aqui uma similaridade da Doutrina Espírita codificada por Allan Kardec, ao perguntar aos bons espíritos, o que é Deus, e teve como resposta:

Deus é inteligência suprema causa primária de todas as coisas, e sua maior lição amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

Seus seguidores consideram o espiritismo uma doutrina voltada para o aperfeiçoamento moral do homem e acreditam na existência de um Deus único.

Na possibilidade de comunicação útil com os espíritos através de médiuns e na reencarnação como processo de crescimento espiritual e justiça divina.

 

Espiritismo: compreender e respeitar

Para sermos amados precisamos amar para identificar e reconhecer o que já é realidade em nós, perdoar não sete vezes mas setenta vezes sete vezes, ou seja jamais negar o outro.

E no amai vossos inimigos uma grande lição, para perdoar não precisamos esquecer, precisamos buscar a intenção positiva do evento e ressignificar cada estado e cada entendimento.

E compreender e respeitar cada um como gostaríamos de ser respeitados.

A lei de amor primeiramente se estabelece pela necessidade de pertencimento ao nosso sistema familiar, e é nesta máxima que honramos nossos pais no exercício da paciência e da tolerância enquanto hierarquia.

 

Ho’oponopono

E neste quesito amor também vemos que o Ho’oponopono traz na sua base a identificação quanto ao perdão, reconhecimento ao outro, o amor incondicional e na identificação a gratidão.

Assim as quatro principais frases do Ho’oponopono:

Eu te amo. Eu sou grato. Me perdoa. Eu sinto muito.

Um método que permite resolver mágoas e feridas do passado, criando, assim, um estado de paz, uma sensação de bem estar e reconhecimento de Deus em Sí.

Mais uma forma de arrumar, acertar o que queremos em termos do Divino em tudo, no macro e no micro.

Onde tudo que movimenta o pensamento faz vibrar os corações, pelo reconhecimento da luz que existe no outro e em você mesma (eu te amo), para assim acabar se perdoando e se purificando.

 

Cristianismo

O cristianismo é a doutrina sobre Deus, o ser divino que criou e governa o mundo,. Ele é manifesto em três personalidades diferentes:

Como Pai, como Filho e como Espírito.

O próprio Jesus confirma que Deus é «o único Senhor», e que é necessário amá-Lo com todo o coração, com toda a alma, com todo o entendimento e com todas as forças.

 

Espiritismo e Cristianismo

Acreditamos com firmeza e afirmamos simplesmente que há um só Deus, imenso e imutável, incompreensível, todo-poderoso e inefável.

Pai e Filho e Espírito Santo: três Pessoas, mas uma só essência, uma só substância ou natureza absolutamente simples.

Assim a Igreja Católica é universal e está espalhada por toda a Terra, foi portadora da integralidade do depósito da fé.

Totalmente necessários para a salvação”, no seu dizer, “fora da igreja não há salvação.

Enquanto no Espiritismo diz, “fora da caridade não há salvação.

 

Fenômeno religioso

Vale lembrar que o fenômeno religioso está presente em todos os povos, culturas e civilizações. No entanto as concepções religiosas variam como cada indivíduo ou coletividade idealiza o mundo superior.

A lei divina é eterna, imutável (como o próprio Deus), perfeita, igual para todos, inscrita na consciência dos homens e revelada em todos os tempos (de acordo com a capacidade e compreensão dos homens).

Perguntados sobre como a crença religiosa faz cada um sentir-se diferente a respeito de várias características, dizem ainda que ela dá capacidade de perdoar.

 

Psicanálise e religião

A psicanálise e a religião, Freud era declaradamente ateu.

Tendo rotulado a religião de grande neurose universal, dito que ela é “a realização dos desejos mais antigos, fortes e prementes da Humanidade.

E que a sua força é a força desses desejos” e que o diabo nada mais é do que a personificação da vida pulsional inconsciente recalcada.

 

Instrumento

Apesar de notarmos o ateísmo por parte de Freud, ele mesmo teria dito que a psicanálise não é religiosa nem anti-religiosa.

Mas um instrumento à disposição da libertação dos que sofrem, sejam estes crentes ou não.

Se, por um lado, a psicanálise é o que retifica a absoluta inconsistência e incompletude do ser humano, a religião é o que me alude à completude, é o que me ilude.

 

Esse texto sobre Espiritismo e tolerância religiosa foi criado por Fátima Bonamigo.

1 Comentário

  • Totalmente necessários para a salvação”, no seu dizer, “fora da igreja não há salvação. Gostaria de ressaltar que o Cristianismo (seguidores de Cristo), creem que não há vida fora de Cristo e cremos que “Igreja” é cada pessoa que se reunem em um Templo (que hoje chamamos de igreja)

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *