Constelação Familiar pode Tornar a Relação com os pais mais leve?

A constelação Familiar é muito importante para que possamos entender os emaranhados que envolveram e envolvem nossas vidas até hoje e assim, resolvê-los de uma vez por todas. Mas você sabia que esta técnica também pode ser de grande ajuda para entendermos melhor nossos pais?

Ao final deste texto, você terá uma compreensão melhor do que é a Constelação familiar e ainda, como ela pode ser eficaz para que possamos ter um convívio melhor com nossos pais. Continue lendo para saber tudo à respeito!

A história dos Meus Pais

História de Vida da Minha Mãe

Minha mãe como dona de casa, tem origem simples. Filha de um segundo casamento de minha vó, viúva com cinco filhos. Do segundo casamento, além de minha mãe, minha avó teve mais três filhas. Deste segundo casamento, o marido de minha avó, meu avô, também era viúvo. Por isso, cresci ouvindo que ele tinha uma filha do primeiro casamento que não sabia o paradeiro dela.

História de Vida do meu Pai

Meu pai era o caçula de cinco filhos de uma família de origem portuguesa. Com histórico de muitas lutas, dificuldades, para se firmarem e constituírem famílias no Brasil. Era muito amado e protegido e respeitado pelos irmãos mais velhos, pois foi o que teve melhores oportunidades de estudo e ascensão social.

Meu pai mantinha uma boa relação com sua família de origem. Todo final de semana visitava seus irmãos, sempre ajudava sobrinhos com o que precisasse. Não negava esforços em ajudá-los.

A constituição da Minha Família

Minha mãe sempre se relacionou melhor com as irmãs do que os meio-irmãos. Mantinha um medo de se aproximar deles, embora todos convivessem próximos. Principalmente com a meio-irmã mais velha, a primogênita de toda a família. Mas para frente, minha mãe deixou de falar com um meio-irmão, que também era meu padrinho e sua esposa, minha madrinha.

Ambos, meu pai e minha mãe, estruturaram sua vida como casal trazendo consigo suas crenças e valores. Tiveram dois filhos: eu, a mais velha e meu irmão o caçula. Meus pais permaneceram juntos até o falecimento de meu pai. Embora casados, meus pais não tinham uma vida conjugal harmônica, feliz.

Os Emaranhados da Minha Família

Quando pequena, eu sentia a rigidez entre minha mãe e sua meia-irmã mais velha e entre meus padrinhos. Não compreendia porque não poder ir à casa da minha tia, pois gostava dela. Como também não ir à casa de meus padrinhos e nem pedir a benção a eles. Ação comum na minha família.

Destaco essas questões porque foram elas que vieram a tona durante uma constelação e trouxeram luz ao meu relacionamento com minha mãe.

Nunca entendi porque minha mãe tinha essas atitudes. Não tinha uma boa conexão com ela, não me lembro de receber carinhos na infância, apoio, de me sentir benvinda. Transitei por todos esses estranhamentos da infância a adolescência.

Desde pequena, percebi as dificuldades no relacionamento dos meus pais, minha mãe repetia constantemente: “só estou casada porque você é pequena, quando fizer 7 anos, separo”. Essa frase se repetiu aos quatorze, aos vinte e um anos…nunca separou.

O meu Crescimento com a Constelação

Cresci me sentindo acolhida por meu pai e desprezada por minha mãe. Meu irmão recebia outro tratamento por parte de nossa mãe. Casei aos 21 anos e, logo em seguida, meu pai morreu. Com esse acontecimento, encerrei meus contatos com minha família de origem. Entrava em contato esporadicamente, apenas em datas específicas.

Quando constelei, tive a oportunidade de olhar para minha relação com minha mãe. Reconhecer a importância dela na minha vida. As dores pelas quais passou que me fizeram compreender o motivo de todo afastamento que mantinha da família de origem e da sua pouca manifestação de atitudes amorosas comigo. Muitas dinâmicas ocultas, pesadas, foram reveladas.

Como Compreendi Melhor Meus Pais Através da Constelação

Hoje compreendo que ela me deu o que podia me dar. E foi muito, foi o bastante. Sempre achei que minha personalidade, gostos, perfil tinham vindo do meu pai e hoje vejo que muito do que sou, veio dela: minha espiritualidade, meu desejo de servir, de ajudar o próximo.

Caminho na vida com muito mais leveza, fluindo no amor que meus pais têm por mim. Mantenho uma profunda admiração, um respeito pela minha mãe, que sofreu tanto, teve muitos fantasmas na vida e, hoje, caminha resoluta, com atitudes positivas frente à vida. A constelação ajudou a ambas, pois ela tem esse alcance. Reverbera onde é necessário para a vida fluir.

Gratidão pela vida que recebi. Amor e reverência às minhas origens familiares. Devo quem sou a todos que vieram antes de mim. A meus pais um amor incondicional, foram os melhores para mim. A Constelação familiar a oportunidade de refazer meu movimento interrompido a minha mãe e restabelecer o vínculo que nós filhos, pequenos, mantemos com elas. A raiva foi embora, o coração ficou mais leve.

Conclusão

Para Finalizar, posso então dizer que sou muita grata por meus pais, por eles me oferecerem o melhor que puderam e por me ajudarem no meu desenvolvimento e no que sou hoje. Devo tudo à eles.

Autora Anônima

E você, gostou do texto e gostaria de saber mais sobre a Constelação Familiar? No Blog Constelação Clínica, você irá conferir sobre esse e muitos outros assuntos dentro desta técnica. Confira agora!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *