Saúde psicológica nas crises: momento para reflexão

saúde psicológica

Diante deste cenário de pandemia e do isolamento social a sociedade encontra-se ainda mais vulnerável em sua saúde psicológica.

O nível de ansiedade e estresse aumentou consideravelmente.

 

Os males para a saúde psicológica

Confirma-se a “falta que faz o abraço”, a sensação de angústia/solidão, o constante receio de adoecer, o ritmo frenético de trabalho, a falta de EPIs, o medo do colapso econômico, a sensação de falta de controle diante da epidemia.

Enfim a necessidade do reforço na vigilância do impacto psicológico gerado pela pandemia.

Esse passou a ser um momento onde o ser humano deve se abrir para aceitar os múltiplos desafios que se impõem de forma irrefutável.

 

Uma questão de consciência

Nesse sentido, observa-se que se deve privilegiar o comprometimento e a busca por conexões consigo mesmo com o propósito de aprimorar a sua forma de funcionamento.

Ou seja, ampliar a consciência do como e do quanto somos afetados com a atual realidade do país e do mundo.

A proximidade com a sua forma de ser e de expressar os sentimentos se torna imprescindível.

 

Procura pelo equilíbrio

Pois é necessário que as pessoas mantenham a sanidade e o equilíbrio psíquico adotando, nesse momento, atitudes positivas e resilientes.

Aprender a lidar com as possíveis angústias e trabalhá-las, se necessário, com o apoio de um especialista psicólogo, psicanalista ou psiquiatra pode ser essencial para melhor adaptação à nova realidade.

 

Saúde física e mental

Se a população não se cuidar diante dessa epidemia, poderemos presenciar o surgimento de patologias psiquiátricas severas.

E um aumento da necessidade de receber atendimento especializado quando o confinamento for concluído, por motivo de stress pós-traumático.

 

Ciência sobre a saúde psicológica

Conforme pesquisas apresentadas no mundo todo.

Tem um estudo da sociedade chinesa de Psicologia que relatou o alto nível de ansiedade e depressão nessa população.

E revela que os sintomas de estresse pós-traumático podem aparecer até 3 anos depois da catástrofe.

Essas pesquisas demonstram, portanto, o sofrimento que podemos alcançar.

 

Atendimento

Essa possibilidade exige ações psicoprofiláticas de forma imediata.

Com esse objetivo encontramos atualmente várias redes de psicólogos oferecendo suporte psicológico gratuitamente.

De forma presencial ou on-line, o que pode ser considerada uma oportunidade única para essa aproximação da população com a consciência de que a busca do desenvolvimento pessoal é a melhor estratégia.

Dar sentido ao que realmente tem sentido para o ser humano, para cada um.

 

Saúde psicológica e comportamento

Em meio à crise, então, observa-se a necessidade de buscar se fortalecer, aprender a cuidar de si para cuidar do outro.

Em momento em que todos precisam ser cuidados é fundamental a identificação dos padrões de comportamentos:

Como era antes da pandemia, reações esperadas diante da epidemia e o que está fora do padrão.

 

Ampliando a consciência

Outro aspecto é a ampliação da consciência da população de que saber que o vírus pega todos influencia sua forma de lidar com a realidade.

Essa vulnerabilidade escancara as possibilidades de contágio e isso gera medo.

A consciência de que somos mortais faz parte do processo e é necessário aprender a encarar esse fato.

 

Estratégias para melhorar a saúde psicológica

Podemos pensar em diversas estratégias para ajudar nessa discussão em relação ao manejo da angústia, ansiedade, estresse e autocuidado.

Buscando minimizar os efeitos a médio e longo prazo das consequências deletérias na saúde mental:

  1. Recorrer a assistência psicológica, por exemplo para falar de suas tristezas, medos, raivas. Dar voz às emoções.
  2. Conhecer a relação mente/corpo (psicossomática): dormir bem, alimentação saudável, bom humor…
  3. Desacelerar, pois é necessário espaço para organizar a mente, reorganizar a vida, lembrando sempre que o ócio também pode ensinar.

 

Desacelerando

Como essa desaceleração pode ser alcançada:

Diminuir tempo e fluxo de informações, buscando informações fidedignas, pois confirma-se que o tempo exagerado que as pessoas têm passado em busca de informações é um exagero. Isso além de ser prejudicial à saúde mental traz informações ambivalentes provocando medo e insegurança;

  1. Yoga: Pode ser considerado uma prática esportiva com diversos benefícios para a saúde física e mental. Inclui reaprender a respirar de forma consciente.
  2. Apreciar momentos de silêncio, introspecção, percepção mais profunda de si mesmo.
  3. Desenvolver a capacidade de se amar e amar o outro. Bela oportunidade para desenvolver a compaixão.
  4. Meditar: acalma, fortalece senso de auto-organização. Mantém a mente focada e reduz o estresse da rotina diária.
  5. Praticar atividade física. Aumenta a autoestima do sujeito. Devido a ações hormonais provenientes dos exercícios físicos podemos utiliza-la como coadjuvante no tratamento da depressão.
  6. Cuidar para não ficar perdido nas redes sociais. Apesar do aspecto positivo das redes sociais no que se refere ao aspecto da globalização introduzida pela Internet, quando utilizado em excesso provoca um distanciamento das pessoas e maior dificuldade nas relações interpessoais quando necessário que se deem “ao vivo”.
  7. Aproveitar da oportunidade para o auto-conhecimento. Descobrir que pode ser extremamente agradável estar na sua própria companhia: “Me conheço? “O que estamos fazendo nesse mundo?”
  8. Ler, estudar, diversificar suas escolhas ao longo do dia. Passar várias horas praticando uma atividade única pode cansar o corpo e a mente.
  9. Buscar rede de apoio: Estar em contato com sua família, mesmo que por telefone ou online. Isolado sim, solidão nunca. Isole-se fisicamente, mas não emocionalmente.
  10. Desenvolver sua espiritualidade. Diferente de religiosidade. Não estamos falando aqui de instituições religiosas e sim da fé. De como cada indivíduo passa a lidar com o sentido da vida e da morte…

 

Os ganhos para a saúde psicológica

Não se pode deixar de ressaltar os ganhos secundários da pandemia:

  • Fortalecimento de vínculos entre familiares, entre equipes profissionais, na comunidade em geral;
  • Postura mais empática, ou seja, se colocar no lugar do outro tem sido uma constante;
  • Solidariedade, onde as pessoas estão dividindo o pouco que possuem; revalorização da saúde pública, quando o SUS passa a receber um novo olhar;
  • Rompimento de barreiras de discriminações e preconceitos ao se confirmar que o vírus não conhece fronteiras ou partidos políticos, raça;
  • Aflora nossa religiosidade e até mesmo nossa espiritualidade que pode contribuir nesse momento de crise, como um dispositivo para facilitar a aproximação das pessoas.

Aproveitando dessa oportunidade para nos tornarmos seres humanos mais conscientes e mais humanos sairemos como vencedores desse embate que pairou sobre o mundo.

Tudo passa!

 

Esse texto sobre Saúde psicológica na pandemia: momento para reflexão foi criado por Valenir da Costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *