Mundo de paz: construindo um melhor lugar

mundo de paz

É possível construir um mundo de paz e isso colaborar para a criação de um novo mundo? Quais ações individuais e coletivas são necessárias?

 

O conhecimento humano

Necessitou muito tempo para que o ser humano entendesse o que é este universo em que habitamos, porém somente conhecemos e desfrutamos uma ínfima parcela do mesmo.

Sendo o mesmo formado por diversos planetas, astros, galáxias e um infinito que o ser humano ainda não conhece e jamais conhecerá.

 

A ganância do Homem

Fomos jogados neste mundo e aos poucos fomos tentando entende-lo e nesta ânsia de entende-lo aceitamos várias suposições e histórias.

Depois como a utilização da razão fomos ressignificando as coisas e tentando obter uma resposta sobre tudo que existe, porém o homem com sua ganância de dominar o indominável, tem provocado em si e no cosmo muito sofrimento.

 

O mitologia e o conhecimento humano

A primeira etapa pela qual os seres humanos começaram a entender o mundo foi através da Mitologia.

A mitologia era embasada na existência de deuses e cada um dos deuses exercia um determinado papel, como exemplo podemos citar:

  • Zeus, deus dos deuses;
  • Eros, deus do amor;
  • Atena, deusa da sabedoria;
  • Afrodite, deusa da beleza e do amor;
  • Apolo, deus da luz;
  • Ares, Deus da Guerra

E assim cada um dos demais deuses era responsável por determinada coisa, segundo a Mitologia Grega.

Nesta época histórica, os seres humanos estavam sujeitos à paz ou à Guerra, fúria dos deuses.

 

A vontade dos deuses e o mundo de paz

Para a garantia da paz, todos as vontades dos deuses tinham que ser cumpridas em sua integralidade, caso contrário poderiam experimentar a fúria dos deuses.

 

A religião

Outra forma, de entendimento do mundo pelos seres humanos foi encontrada através da religião.

Nesta nova modalidade, adorava-se um único Deus ou vários deuses, como forma de se conectar ao seu criador ou criadores, buscando respostas para suas questões existenciais, engendrando assim as religiões monoteístas e religiões politeístas.

 

A existência para diferentes religiões

A razão da existência de várias religiões seria religar as criaturas ao seu criador, mas como sendo as mesmas organizadas e administradas por seres humanos, os mesmos utilizaram as religiões para obtenção de poder.

 

Buscando o mundo de paz

O que era para conceder paz aos seres humanos através das respostas que as religiões concediam às indagações dos seres humanos, elas possibilitaram Guerras sangrentas que ainda só faz os seres humanos se distanciarem da paz.

O período da Idade Média, considerado um período de Trevas, a igreja católica, arrancou a paz de todas as pessoas que não se submetiam às suas verdades.

 

As explicações racionais

Após um longo período acreditando que tudo o que existia era vontade dos deuses, os seres humanos começaram buscar outras respostas para explicar o mundo em que habitavam pelo abandono das crenças mitológicas.

E assim, começaram a engendrar explicações racionais, onde não haveria necessidade dos deuses para explicar as questões do universo.

Os pré-socráticos começaram este fantástico mundo das ideias, tiveram que criar teorias do nada, para entender o mundo em que estavam inseridos.

 

A filosofia

O primeiro nesta empreitada foi Tales de Mileto, considerado o primeiro filósofo, através da sua análise da “physis”, concluiu que o elemento responsável pelo surgimento de todas as coisas foi a ÁGUA e assim o conhecimento racional começou a nascer.

Um outro filósofo de grande importância para o mundo do conhecimento racional foi Demócrito de Abdera, quando afirmou que o átomo era o responsável pela existência de todas as coisas.

 

A explicação das coisas

Todo este esforço na construção de uma teoria racional para explicar todas as coisas, foi dando ao ser humano respostas que saciavam às suas grandes indagações, concedendo a ele, período de paz.

Com a evolução do pensamento racional, o ser humano criou diversas teorias para tentar entender todas as coisas.

 

O empirismo e o racionalismo: explicando o mundo

As teorias do empirismo e do racionalismo, foram duas correntes que ajudaram ao ser humano a entender melhor através do desenvolvimento da ciência.

Porém o ser humano não tem limite para buscar conhecimento e quanto mais ele conhece, mas desejo tem de possuir o conhecimento em sua plenitude.

O ser humano perde a sua paz quando busca respostas que jamais serão encontramos pela sua razão, sendo ela finita. O universo esconde coisas que jamais serão conhecidas.

A frustração do ser humano em não saber de tudo tira a sua paz.

 

Como construir o mundo de paz?

Qual seria o melhor caminho para encontrar a verdadeira paz? Seria a alienação?

Existem diversas maneiras das pessoas se perderem em um processo de alienação.

Existem religiões que aprisionam as pessoas, em suas crenças infundadas, tirando das mesmas a possibilidade de desenvolver o máximo potencial, enquanto seres humanos.

De outro modo, podemos ver que a ciência também aliena os seres humanos, na medida em que o ser humano abandona os princípios éticos, querendo se transformar em deuses, distanciando-se da paz de espírito.

 

A filosofia de Epicuro: explicando a paz

Diante de um cenário de ausência de paz e proeminência de guerra, podemos recorrer à filosofia de Epicuro.

O mesmo garantia aos seus seguidores que necessitaria de duas coisas para alcançar um estágio de felicidade/paz:

perder o medo de(os) Deus(es) e o medo da morte.

Segundo ele, de nada nos adianta ter medo da morte, pois não sabemos quando ela chegará a nós e também não devemos ter medo de Deus, porque se ficarmos com medo de(os) deus(es) deixaremos de viver, pelo medo do castigo/inferno.

Segundo Epicuro, a filosofia será um instrumento para alcançar a felicidade, libertando-se de tudo o incomoda.

 

A ganância do homem: um obstáculo para alcançar o mundo de paz

Com todo o conhecimento que o ser humano já possui, o mesmo tem condições de engendrar um mundo feliz e repleto de paz, para todos os seres humanos.

Toda esperança de paz se distancia através da ganância do ser humano em querer sempre mais e pelo desejo do ser humano se tornar mais do que os outros.

A ganância e o desejo de superioridade dos seres humanos engendram um mundo de guerra, distanciando assim da possibilidade de um mundo de paz, onde todos os seres humanos seriam levados em conta e haveria a garantia da dignidade humana para todos.

 

Mais um obstáculo para o mundo de paz: o preconceito

As diversas formas de preconceito também afasta a possibilidade de paz.

Vivemos em um mundo povoado de seres humanos e muitas vezes vivemos uma solidão povoada, muitas pessoas sofrem, chegando até mesmo tirar sua vida sem ninguém percebe-la enquanto ser humano que é merecedor de atenção e acolhimento.

Somos uma única raça humana, mas através da xenofobia, causamos sofrimento à nossa espécie por pertencer a uma cultura diferente da nossa.

Apesar de sermos de uma única espécie, há em nosso meio o racismo, onde a paz do outro é tirada devido a sua cor.

A homofobia

Ainda na condição da mesma espécie humana, praticamos a homofobia, pelo fato da pessoa ter nascido com a possibilidade de amar uma pessoa que não é aceita pela convenção humana, dos que se julgam corretos.

O machismo

Ainda na mesma condição de espécie humana, temos o machismo onde os homens se julgam superiores às mulheres, querendo coloca-las em uma posição de submissão, tirando delas diariamente a paz.

 

A guerra e a fome impedindo o mundo de paz

Elencamos, acima, vários elementos responsáveis por tirar a paz de diversos seres humanos, na singularidade ou em grupo e estabelecer o terror.

Porém existem outras diversas situações onde a paz é retirada das pessoas, seja através da Guerra ou da Fome.

Através da ganância e da superioridade muitas pessoas deixam de vivenciar uma situação de paz, muitos países vivenciam uma guerra sem fim, podendo está guerra ter muitos significados, pois não é só através de bombas pode ter o estabelecimento da Guerra.

 

A crise pandêmica

O surgimento da pandemia engendrada pelo SARS CoV-2, através da manifestação da doença COVID-19.

Essa, pode ser considerada uma das maiores guerras que o mundo já vivenciou e está vivenciando, sem ter data para o seu término.

A pandemia está tirando a paz mundial.

Onde as pessoas estão aprisionadas em suas casas e em seus apartamentos, muitas pessoas sem trabalho e sem remuneração para adquirir alimentos para a manutenção da vida.

 

O caminho para o mundo de paz: autoconhecimento

Ainda existem os que nem mesmo casa tem para ficar, mas por mais desastrosa que a vida possa parecer estas pessoas conseguem alcançar uma conexão de paz, tal realidade, muitas vezes, é distante de pessoas que tem tudo, o que os bens materiais podem lhes proporcionar.

A paz é algo que se conquista e não se pode comprar! E o meio mais eficaz para alcançarmos a paz é através do autoconhecimento.

 

Desprendendo-se do externo

Em busca do autoconhecimento teremos que nos desprender de todas as coisas externas e mergulharmos dentro de nós mesmos, buscando nos transformarmos em seres humanos melhores.

Através de nosso autoconhecimento poderemos enfrentar nossos medos e sabermos controlar nossas emoções, facilitando assim a compreensão das fragilidades dos outros seres humanos, podendo assim praticar mais a alteridade, a compaixão e estar atento às necessidades dos outros.

Através do autoconhecimento nos abriremos ao mundo e teremos a consciência que não seremos felizes, se o nosso próximo não está feliz. Viemos ao mundo para nos ajudarmos mutuamente.

 

A necessidade de transfromação para o mundo de paz

Após este momento pandêmico que estamos vivendo, o mundo necessitará de seres humanos com uma postura inovadora para lutar por uma transformação social, seja nas relações entre seres humanos, seja na relação como o meio ambiente ou com o Cosmo como um todo.

Após a passagem deste período sombrio e de guerra, necessitaremos de políticos que tomem as suas decisões de forma imparcial, sempre visando o bem estar coletivo, não atendendo apenas parcela da sociedade ou os seus interesses escusos.

 

A resposta é a inclusão

Se houve exclusão haverá ausência de paz, havendo inclusão de todos haverá possibilidade de paz.

Por fim, vamos aproveitar este período em que estamos vivendo, para mergulharmos no nosso ser e que através do autoconhecimento poderemos ser agentes de transformação em buscar de uma sociedade que sempre vise o bem estar social coletivo.

 

Esse texto sobre Mundo de paz: construindo um melhor lugar foi criado por Gilson Soares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *